terça-feira, 21 de abril de 2015

Pulgões e predadores

Passando os olhos mais atentamente sobre as nossas plantas, podemos observar a verdadeira guerra que se passa, dia após dia pela sobrevivência. Os pulgões surgem rapidamente aos milhares para sugarem a seiva das plantas. 

Formigas aproveitam-se dos pulgões

Logo de imediato aparecem também as formigas para se aproveitarem das substâncias açucaradas que estes libertam, e em troca proporcionam-lhes proteção (das joaninhas por exemplo) mas no fundo as formigas estão só a proteger o seus próprios interesses.

E onde há pulgões deveriam existir também joaninhas, e cá por casa vejo-as sempre nas heras, onde logicamente existem milhares de pulgões para comer. 

Joaninhas passeiam-se pelas heras



As heras, planta muito resistente, quase passam incólumes ao ataque dos pulgões, e proporcionam também um excelente abrigo a toda uma diferente série de diferentes insetos. 

Mas se se nas heras mal se notam os estragos dos pulgões, noutras plantas esses estragos são logo por demais evidentes, com folhas ou flores encarquilhadas. É o caso, por exemplo das roseiras. Mas no caso da roseira, encontrei um outro predador, aliado das plantas: a aranha. 

Aranha-caranguejo apanha pulgão


2 comentários:

  1. Por aqui nada de Joaninhas..
    Apanhei uma há uns dias morta no lago :/

    E aranhas no geral são "araneus diadematus", agora então é só bolinhas amarelas cheias de bebés!! (todos os anos assim, são tão lindas em bebés como em adultas!)
    Não sei é se comem os pulgões, mas se não o fazem deviam ;)

    ResponderEliminar
  2. Nem de propósito, hoje estava no trabalho e o meu colega viu uma a passear-se no chão. Lá fui eu, peguei nela e coloquei-a num sítio aparentemente mais seguro!
    Também tenho visto imensas aranhas-bebé! Mal tocas na teia elas espalham-se todas! Tenho ideia que as aranhas de teia, ficam no seu canto, imóveis, à espera que o petisco lá caia, ao passo que as aranhas-caranguejo, essas ficam camufladas nas flores, e aparecendo por ali alguém, mesmo um pulgão, já era!

    ResponderEliminar