quarta-feira, 31 de maio de 2017

Metrosidero: da Morte ao Paraíso

Quem vai acompanhando o blogue lembrar-se-à por certo do metrosidero que eu trouxe do lixo. Estava completamente seco junto a um ecoponto mesmo a dois passos do Hospital Santo António na cidade do Porto. E o tempo voa, e já fará em Julho dois anos que o meti na mala do carro, e trouxe para casa na esperança que se salvasse.




Se no primeiro ano, como se pode ver nas fotografias já cresceu imenso e ganhou muitos novos rebentos, nesta segunda Primavera eis que agora decidiu presentear-me com as suas flores vermelhas! Muito devagarinho a desenrolar as suas inflorescências:





Às vezes há árvores que parecem mortas, abandonadas à sua sorte junto ao lixo, mas na verdade só precisavam mesmo que alguém reparasse nelas e lhes dessem uma oportunidade...


domingo, 28 de maio de 2017

Jardim de Arca d'Água

Há no Porto um jardim, que debaixo de si esconde uma grande Arca carregada de segredos e de pedaços da história da cidade. 




No Porto, Arca d'Água remete-nos para o tempo em que, a partir deste local, o aqueduto ou manancial de Paranhos ou manancial das Três Fontes de Paranhos (várias designações usadas), no fundo, a partir desta grande "caixa de água", se construíram condutas de granito, que desde o século XVII iam alimentar toda uma rede de fontes e chafarizes de distribuição de água pela cidade, até final do século XIX. E este jardim cobre, precisamente, todo esse grande reservatório das águas de Paranhos que foi construído.   

Foi também neste mesmo espaço, que era quase um deserto em meados do século XIX, que a 6 de Fevereiro de 1866 se travou o duelo entre o poeta Antero de Quental e o escritor Ramalho Ortigão por causa da Questão Coimbrã. Deste duelo viria a resultar um ferimento num braço de Ramalho.




Mas, mais uma vez, Arca d'Água, não é a denominação oficial. Mudaram este topónimo antigo para Praça 9 de Abril. por forma a evocar o terrível combate de 1833, entre os absolutistas (fieis a D. Miguel) entrincheirados no alto do Covelo e os liberais (D. Pedro).
Outros estudiosos da toponímia portuense defendem que este nome "9 de Abril", evoca a batalha de La Lys (da primeira guerra mundial) em que participaram muitos portugueses. Mas seja por que guerra for, na verdade os portuenses conhecem este espaço por Jardim de Arca d'Água. 

E o Jardim de Arca d'Água fica situado na zona norte, já um pouco afastado do centro da cidade, quase encostado à VCI, por onde pode ser facilmente acedido. O jardim foi projetado por Jerónimo Monteiro da Costa e foi inaugurado em 1928, estado por isso, a uma década de celebrar cem anos. Destacam-se desde logo os grandes plátanos, magnólias e cedros, o lago e a gruta, o coreto e a escultura "A família" de Cherters de Almeida (1971).









"A família" de Cherters de Almeida /1971 (escultura restaurada em 2016 e de novo danificada - falta o arco que a criança segurava)





Grande parte das fontes e chafarizes da cidade do Porto podem ser vistas nos Jardins de Nova Sintra.

sábado, 27 de maio de 2017

Suculentas em Flor: Sedum Morganianum

Esta planta suculenta Sedum morganianum, conhecido vulgarmente por rabo-de-burro ou rabo-de-cavalo é interessante para colocar em vasos altos cestos pendentes:




Planta muito simples de manter e propagar, sendo só preciso ter cuidado com as geadas de Inverno.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Inauguração Festival Internacional de Jardins Ponte de Lima 2017


Este ano, sob o tema "Jardim das Descobertas", o FIJ acolhe jardins de três continentes, estando em exposição permanente, projetos da Argentina, do Brasil, da Áustria, da Itália, da Holanda e ainda do Japão, apresentando-se Portugal e Espanha com duas propostas cada.

Na vanguarda internacional no tópico do Ecoturismo, e da Sustentabilidade, o Festival Internacional de Jardins de Ponte de Lima, continua a dar frutos. Galardoado no presente ano, com a distinção "Europe for Festivals, Festivals for Europe" - EFFE Label 2017-2018, o FIJ foi, mais uma vez, alvo do elogio internacional.

Este é "Um evento bastante singular que tem desempenhado um papel significativo na educação ambiental e na consciencialização, sustentabilidade e planeamento paisagístico", considerou o Júri Internacional, ao integrar o FIJ na comunidade do Festival EFFE que, promovida pela Associação Europeia de Festivais, distingue espetáculos com grande qualidade artística, de impacto significativo a nível local, nacional e internacional.

Esta não é a primeira distinção do Festival, que anualmente recebe mais de 105 mil visitantes, e que foi já galardoado também com o Prémio Garden Tourism Awards, integrado no evento internacional "2013 North American Garden Tourism Conference", em Toronto, Canadá.

A edição deste ano, "Jardim das Descobertas", inaugura a 26 de maio, numa cerimónia presidida por Célia Ramos, Secretária de Estado do Território e da Conservação da Natureza, pelas 16h00, no recinto próprio do FIJ.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Suculentas em Flor: Echeveria pilosa

Mais uma Echeveria que tenho numa taça de barro e que está agora em flor. Esta Echeveria pilosa de origem mexicana, é muito fácil e manter, e também se propaga muito bem, dando umas flores de um vermelho vivo e amarelo, que quase faz lembrar pequenas chamas. Como com quase todas as suculentas deve estar exposta a sol pleno ou sombra parcial e deve ter um substrato bem drenante.

Pilosa, pois como se vê, é muito peludinha, muito agradável ao toque:




Feira do Mundo Rural - Quinta de Bonjoia 2017


terça-feira, 23 de maio de 2017

Gatinhos para Oferecer

Tenho quatro gatinhos para oferecer. São duas fêmeas e dois machos: o preto é uma fêmea e o "branco" é um macho; os dois trigreses são um casal. Se tiverem interesse deixem comentário ou enviem e-mail.


Fêmea

Macho 





P.S: De momento já só tenho as fêmeas para doar.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Próximos Pré-bonsais

Tenho uns quantos vasos com difentes espécies, e que, muito provavelmente servirão para eu ir brincando e praticando em futuros pré-bonsais. Começando por algo que há já muito tempo tinha em mente, forrar um velho tronco com uma hera. O tempo foi passando e  nunca mais avancei com a ideia, até que por estes dias enfiei o tronco em areia e plantei lá uma pequena hera com raíz. Logo veremos o que poderá sair dali:


Entretanto coloquei também várias heras em vaso, para que elas engrossem. Sempre quis fazer um bonsai de hera mas nunca concretizei a coisa:


Dois cotoneaster, um ainda muito jovem, o segundo já com bastante potencial pois tem o tronco bem grosso:



Quatro azevinhos, em que dois, são conjuntos, um que tem três com as raízes interligadas e um conjunto de sete azevinhos. Bom, que sabe, para tentar fazer uma floresta:





Um carvalho:


Um sobreiro (pode-se comparar o tamanho destes vasos de 20L com um vaso de bonsai:


Um videira:

Uma abélia:


Duas suculentas, uma portulacaria e uma opuntia, que olho e acho que poderia ser possível tentar transformá-la em bonsai:



E por último, o berberis que truxe do horto:



São tudo ideias, não significa que se concretizem. Veremos!