sábado, 21 de outubro de 2017

Tentar Salvar a Planta do Escritório

Foi há pouco mais de um ano que decidiram comprar uma planta para colocar na nossa sala-expositor dos equipamentos que comercializamos. Acho fica sempre bem colocar uma planta nas empresas, dá sempre aquele toque natural, mais acolhedor. E trouxeram uma Dracena marginata também conhecida por Dracena-de-Madagascar.  A escolha é apropriada, visto ser uma das plantas muito usada em escritórios e empresas. O vaso era composto por três finos troncos (três estacas enraizadas) de diferentes alturas, com folhas bastante verdinhas e com o seu típico contorno da folha em tons de vermelho escuro e custou 20€.


Só que, aos poucos, comecei a ver que a planta não estava a dar muito bons sinais de vitalidade. E com o passar do tempo, primeiro apodreceu um tronco e depois outro, e acabou mesmo só por ficar o tronco mais pequenino. A meu ver, e tentando fazer uma espécie de diagnóstico, o problema foi que a planta foi regada em excesso, e isso via-se quando retirei os troncos apodrecidos, que o solo estava como uma espécie de esponja cheia de humidade. Mas há mais, quando ultimamente olhava de passagem para a planta, viam-se umas pequeninos pelos brancos, sinal evidente para mim, que estaria a ser atacada pela temível cochonilha-algodão.


Como não fui eu que comprei a planta, nem era responsável por ela, nem sequer trabalhava naquele espaço da empresa, e apesar de ter dito para terem cuidado com as regas e perceber que a planta estava a morrer, nunca que interferi. Até que ontem a minha colega que estava agora incumbida de a regar, falou comigo se não deveríamos mudar a terra à planta e eu logo concordei que sim. Falou-me se eu podia levar terra, e mudávamos lá na empresa, mas não me pareceu nada prático. O melhor, disse, era eu mesmo trazer a planta e mudá-la em casa e levá-la, de novo, para a empresa na segunda-feira. 

E logo percebi que estava, tal como parecia, infestada de cochonilha-algodão. Ali metidas entre a base das folhas e o tronco, sugando a planta e também no olho dos novos rebentos. Ao retirar a terra, percebi também que já tem cerca de metade das raízes apodrecidas, e resta só outra metade, de aspeto ainda saudável. Removi, com auxílio de uma agulha, as cochonilhas, e limpei bem. Depois mudei a terra e vamos ver se ainda vai ser possível salvá-la ou não.  

4 comentários:

  1. Porra que foi cara!
    Comprei à minha mãe uma igual por 5€ ;)
    E do que sei, as Dracaenas precisam de pouca água, só mesmo quando o substracto está seco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha, nem de propósito, hoje passei pelo Jumbo e vi plantas com dois troncos, mais ou menos da altura deste que sobrou lá da empresa a 5€. Mas a planta que compraram (penso que até foi no IKEA) era bastante mais alta, e por isso vale mais dinheiro. Seria uma coisa destas: http://www.secrets-of-longevity-in-humans.com/images/xbest-clean-air-plants.jpg.pagespeed.ic.MNgiqYhjJ6.jpg

      Mas ainda assim também acho um pouco caro. Talvez por ser de crescimento lento. Eu nunca tive nenhuma não sei! E reparei lá na do Jumbo, que o substrato era muito fibroso creio que à base de fibra de coco, mas até estava bastante humedecido. Mas com esta planta o que fazer é dizer para regar pouco e vermos e consegue recuperar.

      Eliminar