sábado, 15 de junho de 2019

Fim-de-Semana da Vaca-Loura


Portugal é pioneiro na adoção do “Fim-de-semana da vaca-loura”, entre os dias 21 e 23 de junho, iniciativa para alertar a população para os problemas que esta espécie enfrenta e explicar como, juntando esforços, se pode reverter a situação. Há vários eventos gratuitos marcados no norte e centro do país e todos são convidados a participar, até porque os locais foram escolhidos para aumentar a probabilidade de avistar este ser vivo tão emblemático.

Inscrições gratuitas aqui


segunda-feira, 10 de junho de 2019

Passeio de Bicicleta pela Ecovia de Ponte de Lima

Este domingo, depois de almoço e assim quase em cima do joelho, decidi-me ir  até Ponte de Lima para a minha visita anual ao Festival Internacional de Jardins. Meti a bicicleta no carro e fiz-me à estrada. Vistos os jardins (a publicação sairá brevemente) tirei a bicicleta da mala e, primeiro fui dar uma pequena volta pela ponte romana-medieval e pelo percurso junto ao rio Lima, e depois então resolvi percorrer a Ecovia das Laranjas, que terminava em Cais da Garrida, mas no mês passado de Maio foi inaugurada a segunda fase e o percurso ganhou mais 2,8Km totalizando assim cerca de oito quilómetros (16Km ida e volta)

Saí do parque e fui até à ponte romana-medieval e fui por aquele trilho à direita na imagem...


... passando por baixo da ponte...


de onde se avista o centro histórico lá do outro lado da imagem...


Aqui, uma escultura, feita em ferro e granito aludindo à Lenda do Rio Lethes:

"Comandadas por Decius Junius Brutus, as hostes romanas atingiram a margem esquerda do Lima no ano 135 a.C. A beleza do lugar as fez julgarem-se perante o lendário rio Lethes, que apagava todas as lembranças da memória de quem o atravessasse. Os soldados negaram-se a atravessá-lo. Então, o comandante passou e, da outra margem, chamou a cada soldado pelo seu nome. Assim lhes provou não ser esse o rio do Esquecimento." Escultura na margem esquerda do ri Lima, feita em ferro e granito.



E lá me fiz à Ecovia...



O trilho faz-se muito bem, quase sempre em plano, seja por estes caminhos junto a campos agrícolas e sempre ao lado do rio Lima ou estradões de bom piso, sempre protegidos por cercas de madeira que se fazem muito bem em bicicleta de montanha e até dá muito gozo em pedalar e sempre com muitas placas informativas...









E entretanto chegamos ao fim dos 5Km da primeira fase da Ecovia (depois ainda fiz os 2,8Km da segunda fase) e podemos desfrutar aqui deste pequeno paraíso junto ao rio Lima...






Um percurso que se faz muito bem, quase sempre abrigado do sol e junto ao rio Lima, que me deixou a vontade de repetir novos trilhos. Quem sabe se lá voltar ainda este ano...

terça-feira, 28 de maio de 2019

Lança-de-São-Jorge - Compra por Impulso no Lidl

No espaço de uma semana, e após três idas a superfícies comerciais em que não estava propriamente a pensar comprar nenhuma planta, vim para casa com três novas espécies que ainda não tinha! 

Desta última vez ao passar no Lidl, que logo à entrada costuma ter catos e suculentas, vi esta Lança-de-São-Jorge (Sansevieria cylindrica) por 3€ num recipiente em vidro todo catita envolvido e decorado por frases mais ou menos inspiradoras. 

As Espadas-de-São-Jorge são plantas caras, creio eu que por serem de crescimento lento. E uma pequena planta, ainda que com o dobro do tamanho desta que comprei, pode custar à volta de 8 ou 9€. Achei que três euros ainda que por uma planta pequenina também não era assim tão caro e, impulsivamente, fui incapaz de resistir a trazê-la para casa. 



Peguei no pequeníssimo vaso e mudei-o para um bem maior, com substrato bem seco, porque o problemas destas plantas é precisamente o excesso de água. E para não deixar este recipiente todo catita vazio, coloquei-o com planta-aranha (Chlorophytum comosum). 


domingo, 26 de maio de 2019

Crassula multicava: do lixo para florir em casa

No início do ano encontrei no terreno baldio ao lado de casa vários pés de Crassula multicava que por ali foram despejados. Resolvi apanhar os que vi e coloquei-os num vaso grande para crescerem livremente. E agora é este o resultado cerca de três meses depois:


Esta é uma suculenta que se propaga muito facilmente, e estando mais à sombra, ou protegida do sol, adquire esta tonalidade muito verdinha. Planta também muito indicada para fazer bordaduras ou cobertura de solo.

Esta que trouxe está em flor, e percebe-se como depois se propaga facilmente. Das flores surgem pequeninas novas folhas que, caindo ao chão enraizarão e darão origem a novas plantas. 



Um dos cuidados a ter com esta Crassula multicava é abrigá-la da geada. Por experiência própria sei que apodrece completamente, de resto, não carece de cuidados especiais.  


sábado, 25 de maio de 2019

XVI Festival de Jardins Nómadas de Mirandela



Na conhecida cidade-jardim, Mirandela, prémio “Prix d´Honneur” no “Europe's Floral Competition”, no ano de 1995, decorre no próximo dia 31 de Maio o Festival dos Jardins Nómadas. Trata-te de um desfile de carretas floridas, empurradas por crianças e adultos, pela Rua da República até à Ponte Velha, onde as carretas permanecem durante vários dias embelezando a cidade. 

quarta-feira, 22 de maio de 2019

O Grave Problema dos Eucaliptos na Hora do Abate

Já sabemos que os eucaliptos são lá do outro lado do mundo e que nunca deveriam ter sido plantados em Portugal. Já sabemos que os eucaliptos destroem os recursos hídricos,destroem os solos e os deixam improdutivos, e destroem a nossa flora e fauna. Já sabemos tudo isso. Mas, até no momento do seu abate são um grande problema. 

Junto à empresa onde trabalho, finalmente começaram a limpar terrenos pejados de eucalitpos, que estavam mesmo junto à estrada, o que, como toda a gente sabe, é contrário a uma lei que nunca ninguém fez cumprir, até ao momento em que numa estrada de Pedrógão Grande morreram dezenas de pessoas. 

Nesse terreno, apesar dos eucaliptos não terem assim muitos anos, e isso vê-se pela largura dos troncos, a verdade é que já eram tremendamente altos, não fosse o eucalipto das árvores mais altas do mundo, podendo atingir os cem metros de altura e seis metros de diâmetro. Via Google Maps podemos ver como estavam e comparar depois com o abate:



E vejamos o que sobrou depois dos madeireiros (que se comportam sempre pior que elefantes numa loja de porcelanas) abaterem os eucaliptos:


Sobraram meia dúzia de sobreiros que ficaram todos partidos, num estado lastimável de levarem com os eucaliptos em cima:




No Parque Biológico de Gaia, explicam o porquê de não quererem eucaliptos na reserva:


E o Parque Biológico de Gaia não quer eucaliptos, precisamente por tudo isto.
- Porque diminui a biodiversidade
- Porque permite a erosão do solo
- Por ser de crescimento rápido e retirar grandes nutrientes do solo
- Porque prejudicariam o crescimentos das árvores autóctones (carvalhos, sobreiros, azevinhos, etc)
e porque no momento do seu abate são também um grave problema porque iriam destruir todas as outras árvores.  


domingo, 19 de maio de 2019

Rede Inimiga do Ambiente

No meu concelho, Gondomar, a autarquia decidiu deixar de fazer o seu trabalho de recolha de lixo e de resíduos, trabalho esse pago com o dinheiro dos nossos impostos, para passar a pagar a uma empresa privada para fazer esse trabalho por si. E eu diria que é assim que, aos poucos, apesar dos funcionários públicos irem diminuindo, a despesa do Estado vai aumentando e todos nós vamos ficando mais pobres, ao passo que os empresários, muitas vezes envolvidos em esquemas de corrupção (pesquisem por Rede Ambiente, deputado do PSD e caso de justiça"Ajuste Direto") vão enriquecendo cada vez mais à custa do dinheiro de todos. Mas este blogue não é sobre política, vamos ao que interessa.

A autarquia passou então a pagar a uma empresa privada para fazer aquilo que antigamente era feito pelos trabalhadores da câmara municipal. Esta empresa recolhe o lixo e os resíduos (não sei de quanto em quanto tempo, mas a verdade é que o lixo amontoa-se em volta dos Ecopontos) mas fazem ainda o trabalho de limpeza das bermas das estradas. 



Já aqui em 2015 manifestei a minha indignação porque esta empresa privada começou a aplicar herbicida por todo o lado, mesmo junto das habitações e das hortas das pessoas. Na altura os meus próprios pais contaram-me que tiveram de berrar com a pessoa que andava a fazer a aplicação, porque estava a aplicar herbicida junto da sebe de maracujás que fica encostada à berma da estrada e não fossem eles insurgirem-se e certamente tinham ficado sem maracujás. 

Depois desse triste acontecimento questionei a Junta de Freguesia e na resposta, respondeu-me o presidente manifestando a sua ignorância sobre o assunto. Mas a verdade é que alguém, algum entidade pública, teve que aprovar a aplicação do herbicida! Ou será que a empresa privada faz o que bem lhe apetece e depois simplesmente mete a conta? 

Mas já este ano, estávamos no final de Fevereiro, quando me apercebi de uma folha de papel, colada num poste de madeira dos telefones, em que se fazia anunciar nova aplicação de herbicida! E assim foi, foi aplicado o herbicida e passado duas semanas todas as ervas estavam secas. 

Vejamos então a lógica da coisa. 
Aplicou-se herbicida no final de Fevereiro. Matou-se as ervas todas, incluindo muitas ervas medicinais que nascem nos muros de pedra de laje e que poderiam ser colhidas. Resultado, a partir de agora nunca mais que uma pessoa pode colher o que quer que seja, visto que os solos estão todos contaminados. Aplicou-se então o herbicida, aos poucos as ervas onde o veneno caiu começaram a secar. Passado duas semanas qual o procedimento seguinte? Vem um trabalhador da empresa privada Rede Ambiente, de roçadora na mão, passar  a máquina pelas zonas onde foi aplicado o herbicida.

Expliquem-me lá uma coisa: afinal o uso do herbicida que nos está a matar a todos, envenenando tudo em volta é para quê? Para poupar trabalho não é porque depois lá veio o trabalhador cortas as ervas secas na mesma, está-se a duplicar tarefas! Então para quê usar o herbicida? Não bastava o homem ter vindo cortar as ervas verdes?

Ah, mas com o herbicida não voltam a nascer ervas durante muitos meses...

Acham mesmo que não? Eu dei-me ao trabalho de ir recolhendo fotografias. 

E se no início de Março tudo estava seco, e se nem um ponto verde para amostra se via, no início de Maio, uns meros dois meses depois já novas ervas nasceram e estão de bom tamanho!



Concluindo. Todos sabemos que os herbicidas nos estão a matar e Portugal é dos países da Europa em que as pessoas estão mais contaminadas. Então, qual a justificação lógica para que se aplique herbicida nos meios rurais, junto às casas e hortas das pessoas, se nem para poupar trabalho é? É só mesmo para justificar mais pagamentos à Rede Inimiga do Ambiente? 

Cabeça-de-Medusa ou... Polvo?

A suculenta Cabeça-de-Medusa tem este nome por causa das semelhanças com a figura da mitologia grega, conhecida por ter serpentes na cabeça. Contudo, esta planta em particular, aos meus olhos, assemelha-se mais com um polvo!




terça-feira, 14 de maio de 2019

Como Ajudar as Vaca-Loura?

Após uma recente visita ao Parque Biológico de Gaia (talvez esteja para breve uma publicação sobre este espaço) deparei-me com quadro informativo, sobre como proteger as vacas-louras, uma espécie de escaravelho cada vez mais ameaçado.




#Vacas Louras na Empresa

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Mandar às Malvas

As malvas são ervas que toda a gente conhece, principalmente pelas suas flores que abrem na Primavera e Verão. Nascem um pouco por todo o lado, em terrenos ricos em azoto e podem chegar a um metro de altura.



No livro "Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais" ficamos a saber que esta planta é apreciada como remédio desde o século VIII a.C. Os pitagóricos consideravam uma planta sagrada que libertava o espírito das paixões; Carlos Magno não a dispensava como planta ornamental nos seus jardins imperiais. E em Itália, no século XVI, denominava-se omnimorbia, isto é, remédio para todos os males. 

Das propriedades medicinais ficamos a saber que trata abcesso, rosácea, afta, asma, boca, bronquite, dentes, faringite, furúnculo, hemorróidas, nervosismo, obesidade, obstipação, olhos, picadas e tosse.

Mas há uma expressão curiosa associada a esta planta: "mandar às malvas"!

Germano Silva, jornalista e historiador (provavelmente a pessoa que mais saberá da cidade do Porto) no site do JN, revela-nos a origem da expressão, que tem que ver com uma história de amor que acabou em tragédia.

Ao que parece, ali pelo século XVIII, haveria um taberneiro que tinha uma filha muito prendada, muito bonita e cheia de qualidades que era muito pretendida pelos rapazes. Só que ela já tinha namorado, um cordoeiro, só que, um sobrinho do bispo também se interessou por ela. E, aconselhada pelo pai que, se calhar, um sobrinho do bispo era um partido bem melhor, certo dia, o cordoeiro, ao vir ter com ela, apanha-a a conversar com o sobrinho do bispo! Movido pelo ciúme envolvem-se em pancadaria, e o cordoeiro acaba mesmo por matar o sobrinho do bispo. Resultado: foi condenado à morte na forca. E naquele tempo, quem morria na forca, não tinha direito a ser enterrado nas igrejas como era costume na época. E foi enterrado num terreno chamado o "campo das malvas", onde haveria, mais tarde, de ser construída a igreja e a Torre dos Clérigos. Daí a canção:

"Adeus que vou para as Malvas, 
passando pelas urtigas, 
Vão os rapazes para a forca
Por causa das raparigas"

domingo, 28 de abril de 2019

Salamandra Emerge das Profundezas

Já há bastante tempo que não partilhava aqui um vídeo (ou fotografias) sobre a fauna do meu jardim, mas hoje, tive a oportunidade, com alguma sorte, de conseguir filmar algo que para mim foi fantástico:


Depois de ter movido uma enorme piracanta de sítio (estava num grande recipiente sem fundo, com as raízes agarradas ao solo) e de ter que cortar as raízes da terra com uma foice e de ter cavado um bocado à volta, eis se não quando, passado um bom bocado de tempo (entretanto andava a podar algumas heras) e vejo, a alguma distância, emergir da terra aquilo que, à primeira vista parecia um sapo! De imediato aproximo-me, mas afinal não era um sapo!, era sim uma salamandra, que deveria estar enterrada bem fundo!

De imediato, após se erguer da terra, as formigas, como se pode ver no vídeo, começaram a atacá-la, mas ela aos poucos foi-se livrando delas, e, vagarosamente tratou de se ir esconder para junto das heras.

Resto de Poda Abandonados

Há algum tempo, não sei precisar quanto, mas certamente há muitos meses, cortei uns ramos de Aeonium e deixei-os dentro de uma lata de plástico, e atirei lá para dentro um bocado de terra. E muito meses se passaram e a lata ficou para ali num canto no meio de outras plantas. E não é que, sem lhe mexer até floriu?


quinta-feira, 25 de abril de 2019

Echinopsis em Flor

Depois de no verão passado ter trazido estes catos abandonados para casa, eis que um dos muitos Echinopsis começou agora a florir: 






Coroa-de-cristo - Euphorbia milii

Há algum tempo que andava de olho neste cato ou arbusto da família das Euphorbias, originário de Madagascar, principalmente depois de há já uns anos ter visto os que estão no Jardim Botânico do Porto.






E até que há umas semanas, de passagem por Ovar, entrei numa grande superfície de plantas e  artigos de jardim, e por lá vi esta Euphorbia milii e trouxe um pequeno vasinho que custou 1,80€. No vaso está identicada como Euphorbia milii "vulconus".

Para já vou mudar a planta de vaso e depois logo se vê, se a continuarei a manter em vaso ou se lhe destinarei um sítio no jardim.