terça-feira, 22 de abril de 2014

De passagem pela Serra da Freita

Já há bastante tempo, que digo a mim mesmo que quero visitar Arouca, e em particular a Serra da Freita, mas os anos vão passando e na verdade nunca mais lá vou. Na última vez que lá estive, já há muitos anos, estava tanto nevoeiro que não deu para ver absolutamente nada. O mais irónico, é que Arouca fica relativamente perto daqui, talvez a uma hora de de carro, por isso mesmo já lá poderia ter ido explorar o que a serra tem, é é muito, para mostrar e oferecer aos seus visitantes.

Este fim-de-semana passei por lá com os meus pais. Foi uma curta passagem, mas já deu para ver alguma coisa e serviu para me deixar ainda com mais vontade de lá passar brevemente, com mais tempo, quem sabe até para fazer alguns percursos pedestres. 

A primeira paragem foi junto do miradouro da Frecha da Mizarela, a maior queda de água do país, e uma das maiores da Europa.

Frecha da Mizarela





Dirigimo-nos depois ao local onde pode ser observado o fenómeno das Pedras Parideiras, raríssimo no mundo,  mas o centro de interpretação estava fechado provavelmente por ser domingo de Páscoa. 

Pedra em forma de disco que sai das pedras parideiras

Só estivemos à conversa com um senhor que andava a pastar as suas vacas (uma muito curiosa a olhar para nós), mas depois rumános para o local onde iríamos fazer o repasto, uma zona de lazer na serra, junto à estrada, por entre um pequeno curso de água, e à sombra de bétulas e ciprestes, e com bancos de granito. 

As sempre elegantes bétulas


Bétula ou Vidoeiro (Betula celtiberica)







Ainda caminhei um pouco pela serra, quase em estado puro, observando os vários corvos que voavam numa espécie de bailado, e andei atrás de umas borboletas de coloração preta e amarela, (que ainda não identifiquei) e que pousavam na flor amarela da carqueja. Não as costumo ver por aqui onde moro.



Ainda resolvi trazer para casa um pedacinho da serra, no caso um calhau, que me parece ter uma forma bem interessante.


Foi uma curta passagem pela serra, talvez mesmo só um pequeno aperitivo, para um regresso bem mais demorado por terras de Arouca.

4 comentários:

  1. Lindo! <3 A cascata, os bidoeiros, a borboleta, as pedras, o garrano, as vaquinhas também deviam ser giras...

    ResponderEliminar
  2. Lindas Paisagens :-)
    Podias ter tirado foto às vaquinhas.

    ResponderEliminar
  3. Nós paramos um pouco, numa zona que nem tinha nada de especial para fotografar, e depois então começaram a aparecer as vacas na estrada, e meteram-se pelo monte e foram pastar. Mas são vacas castanhas, com grandes cornos, iguais a tantas outras!

    ResponderEliminar
  4. Sim...não digo que não,mas ficava engraçado.

    ResponderEliminar