domingo, 9 de janeiro de 2022

Corvos-Marinhos na Afurada

No primeiro domingo do ano e porque o tempo assim o convidava (não tivéssemos tido uma passagem de ano com uns absurdos vinte e tal gaus), meti a bicicleta no carro, a máquina fotográfica com a lente de 300mm na mochila e fui pedalar pelas margens do rio Douro. Atravessei a Ponte Dom Luis que está em obras (e estará durante todo 2022) e agora temos que passar numa espécie de túnel muito lentamente atrás das outras pessoas e depois andei ali pelo Cais de Gaia, muito tranquilamente e fui até à Ponte da Arrábida. Mas pelo meio parei na Afurada perto dos barcos que ali estão ancorados porque alguns corvos-marinhos chamaram-me a atenção em cima de um barco. E tratei de disparar sobre eles...













sábado, 8 de janeiro de 2022

Evolução da Taça com Suculentas

 As suculentas crescem lentamente, mas também não é tão lentamente assim. Estando com as raízes mais à vontade do que em vasos minúsculos veja-se o desenvolvimento:

Outubro / 2020


Janeiro / 2022


quarta-feira, 29 de dezembro de 2021

Nascem couves na Nervura duma Folha de Couve!

Costumamos dizer que as suculentas propagam-se por folha, mas ver nascer rebentos numa folha de couve acho que é u m verdeiro insólito!

segunda-feira, 27 de dezembro de 2021

No Mundo Encantado dos Fungos II

Dezembro é sempre uma boa altura para uma caminhada pelo monte e observar estas formas de vida muito interessantes que dão pelo nome de cogumelos, os frutos dos fungos. 








# No Mundo Encantado dos Fungos I

sábado, 25 de dezembro de 2021

Plantar Azevinho no Dia de Natal

Enquanto ainda estavam todos na ressaca da engorda da consoada já eu andava com as mãos na terra a cavar um buraco como se não houvesse Natal!

Tenho dois azevinhos fêmea (dois que dão frutos - aquelas bolinhas vermelhas) já com bastante anos em recipientes generosos que nasceram no meu terreno espontaneamente de semente. E por ali foram estando sem que eu soubesse ainda muito bem o que fazer com eles. Um, o maior, acabei colocando à venda, o outro, cheio de bolinhas vermelhas, acabei por me decidir a plantá-lo num recanto do jardim, para que cresça livremente, ainda que, logicamente, com alguma poda de manutenção.

Este azevinho que plantei estava num contentor do lixo que recolhi abandonado e cortei a meio fazendo dois vasos improvisados. Como não tinha fundo tive que puxar um pouco para  descolar da terra e dar umas abanadelas para ele se soltar. E como era muito pesado usei um pequeno carrinho de transporte que geralmente uso para transportar vasos. 

Com um pau medi mais ou menos a altura e o diâmetro do torrão e cavei um buraco com essa dimensão. No fundo do buraco despejei uma lata de 25L com composto proveniente da compostagem. Transportei o azevinho para junto do buraco e deixei-o deslizar até lá dentro. Para preencher o restate espaço do buraco que sobrou e acondicionar a árvore despejei mais cinco ou seis latas de composto que ia intercalando com parte da terra que saiu do buraco e fui calcaldo bem para apertar. 

E assim plantei a árvore símbolo do Natal neste dia de Natal de 2021. Veremos agora como evolui, mas não duvido que vá crescer rapidamente. Assim espero pelo menos. E por cá estarei a dar novidades quando se justificar. 

quarta-feira, 22 de dezembro de 2021

Ilustre Desconhecida com Vista para o Rio

 Passeio de domingo de bicicleta. Duas semanas depois e já não apanhei a Rainha das Virtudes toda dourada porque o melhor momento para a ver é sempre no início do mês de Dezembro. Desci para a Ribeira, atravessei a Ponte Dom Luís (que está em obras) e dei uma volta até à Ponte da Arrábida. Quando regressava dei de caras com umas flores de uma planta que me chamaram  atenção porque acho que nunca tinha visto. 

Coloquei as fotografias num grupo de jardinagem do Facebook para ver se alguém identificava, e as opiniões dividiram-se entre Rosa Albardeira (que não é), hibisco (também não me parece) ou uma planta que pertence ao género Abutilon.

Quem sabe o melhor seja um dia destes regressar lá e cortar uma pequena estaca para tentar propagar!

domingo, 21 de novembro de 2021

O Meu Primeiro Feto Arboreo

Sempre adorei os fetos arboreos e sempre quis ter um casa, ainda que, talvez não tenha o ambiente mais adequado, uma vez que eles preferem sombra e ambientes húmidos. Mas sempre fui adiando a sua compra porque são plantas bastante caras. E decidir fazê-lo só agora também não foi muito inteligente porque tenho notado que os fetos arboreos estão cada vez mais caros. 

Foi há coisa de um mês que, por impulso, acabei por gastar 20€ na compra deste feto arboreo num horto. A primeira coisa que fiz foi mudá-lo para um vaso bem maior.


E coloquei o vaso nas traseiras, à sombra da grande nespereira. E fui regando sempre muito bem. E até ver, em muito pouco tempo, desenvolveu logo novas folhas e está bastante verdinho.