quarta-feira, 24 de julho de 2013

A morte veste-se de cor-de-rosa

A partir do momento que plantei um pequeno canteiro com algumas aromáticas no jardim, o número de objetos voadores, mais ou menos identificados por mim, como que disparou sobre as suas flores. 
Mas o que me começou a chamar a atenção foi uma pequena aranha cor-de-rosa que se fixava imóvel sobre as flores. Aranhas cor-de-rosa? 

Por norma gosto de observar o comportamento dos bichos - vício perfeitamente normal em qualquer bucólico anónimo que se preze! - olhar de perto as plantas, até para ver se está tudo bem, porque do nada pode aparecer bicharada prejudicial como os pulgões que num ápice são aos milhares.

Descobrir um novo bicharoco pode ser fascinante, mas mais ainda, é tentar investigar para chegar à sua identidade pelo seu aspeto e comportamento. Estava então na presença de uma aranha cor-de-rosa, que ficava imóvel nas flores e sem que fosse visível qualquer teia por perto. Cheguei depois, com a ajuda da internet, à identidade deste temível predador conhecido por aranha-caranguejo (Thomisus onustus). 

É conhecida precisamente por atacar as suas presas por emboscada,  mas sem recurso a teias, esconde-se atrás das flores, com um detalhe, ela muda de cor consoante as cores das flores, para melhor se confundir, e mais facilmente atacar um qualquer inseto voador que não se apercebe da sua presença e que voa para a morte. 







9 comentários:

  1. Que aranha bonita! Cor-de-rosa! Eu já encontrei aranhas caranguejo, eram brancas, como as flores onde se escondiam (saltavam-me para a mão quando eu cortava as flores) mas nunca consegui presenciar as suas caçadas...é mesmo fascinante, mas coitada da abelha (ainda mais por causa da invasão daquela vespa asiática que se vê aqui no minho).

    ResponderEliminar
  2. Ah, por estes dias encontrei aranhas-caranguejo brancas! Onde? Nas pequenas flores brancas (pois claro!) do limonete! Acho que também lhe poderiam chamar aranha-camaleão!

    ResponderEliminar
  3. Pois é. Eu ainda tenho aquele medo às aranhas, mas sei que são indispensáveis: esta primavera havia carradas de pulgões nas roseiras, mas não duraram muito, pois o número de aranhas também aumentou bastante (vi aranhas peludinhas, pretas com marcas amarelas no corpo, até vi uma enorme que estava num buraco na terra, essa até demonstrou comportamento agressivo) escondem-se nas pétalas de rosa - e o pior é que eu nem dava por elas, pois são tão levezinhas.

    Gosto mais dos opiliões, parecem pompons com patas, costumava brincar com eles quando era pequenina! :D

    ResponderEliminar
  4. Interessante, acho que nunca tinha ouvido falar em opiliões! - sempre a aprender! Eu tenho uma amiga que se vê uma aranha (ou caranguejo!) desata aos gritos! mas estou em crer que com os opiliões será igual!
    Eu não sei o porquê de ter, bem como a maioria dos humanos, de ter essa sensação de medo com as cobras, será qualquer coisa que está memorizado no nosso ADN não sei. Assusto-me se as vejo de surpresa, mas depois vou a correr buscar a câmara fotográfica!!

    ResponderEliminar
  5. Nunca tinha ouvido falar de opiliões!? Como é possível, eles estão em todo o lado...:) Caranguejos também? De pequenina, eu e as minhas amigas costumávamos ir apanhar caranguejos nas poças na praia, uma vez apanhei um bem grande e peludo, preto, levei-o no meu baldinho para a casa da minha tia, mas ele lá se escapou: foi-se esconder debaixo do fogão, e resolveu sair quando a minha tia foi lá cozinhar...como ela se assustou! :D

    Já agora, uma vez uma cobra visitou o meu jardim de cidade, estava a atravessar as grades do portão, era verde e pequena! O meu avô foi-lhe fazer festinhas na cabeça o maluco! :) Estas visitas de animais raros são tão interessantes mas tornam-se cada vez mais escassas com o passar do tempo e a urbanização da cidade (e agora tantos carros atravessam a estradinha ao lado da minha casa - matam tantos gatos que conheço - que coisa!).

    ResponderEliminar
  6. Não! Acho mesmo que nunca tinha ouvido essa palavra! O bicho em si sim claro, mas para mim são só aranhas!

    No ano passado fotografei alguns repteis entre os quais algumas cobras, mas este ano ainda não tive grande sorte. Só mesmo um enorme susto, mas enquanto fui buscar a máquina fotográfica ela deve-se ter escondido.

    Aqui na aldeia é sempre complicado, o seu pior inimigo é a ignorância das pessoas que se as vêem matam-nas com a enxada. As pobres coitadas carregam o peso da reputação de serem o diabo em forma de animal rastejante!

    Ah, curiosamente a minha amiga adora cobras! Não é irónico?!

    ResponderEliminar
  7. Mas as cobras são amigas do agricultor (tenho uma lista dos animais 'amigos' do agricultor bio), comem ratos e outros insectos...por sua vez os ratos também comem caracóis e lesmas (como sofro muito por causa deles deixo os ratos estar no jardim sem problemas)...como podem ser as pessoas que vivem num meio ligado à agricultura assim? Basta observar mesmo, para ver que as cobras fazem mais bem que mal....

    Gosto menos das cobras de água que se encontram nos riachos e lagoazinhas das regiões montanhosas do minho (se calhar no douro também as há) é que não se notam nada nas pedras e lodo (dei com uma a nadar muito perto de mim uma vez). Ainda assim nunca lhes faria mal!

    ResponderEliminar
  8. Eu tenho imensos ratos lá por casa. Um dia destes levei a cadela dos meus pais lá para casa e ela andou a tarde toda a farejar por entre sebes, e eu julgo que é precisamente encostado ao muro que eles fazem os ninhos. E aquela cadela é "terrível" apanha tudo o que mexe, inclusive pássaros!
    E será por existirem ratos que as cobras irão para lá!

    Na natureza existe um equilíbrio entre predadores e presas para que tudo funcione, e é o homem que tem vindo a destruir equilíbrio. É comummente aceite, e também não é preciso ser nenhum especialista basta mesmo observar, que o animal mais destruidor da biodiversidade é o gato doméstico que mata tudo para caçar. Mas há animais que têm a simpatia das pessoas, e outros, pobres coitados que ganharam o ódios das pessoas, muitas vezes por crendices parvas ancestrais. As libelinhas por exemplo, outro animal também associado ao diabo e só há pouco tempo descobri o porquê de lhes chamarem "tira-olhos", pelo menos aqui é esse o nome que lhes dão!

    É verdade que também existem cobras venenosas mas por norma elas só querem é que as pessoas as deixem em paz. Eu tento sempre fazer ver isso às pessoas, e começo pelos meus pais, mas nem sempre é fácil retirar alguns preconceitos já muito enraizados.

    ResponderEliminar
  9. « que o animal mais destruidor da biodiversidade é o gato doméstico que mata tudo para caçar.»

    Ah, não diga isso, há gatos e gatos! De todos que a minha família teve, só uma ia atrás de tudo o que se mexia, uma gata ruça, dizem que as gatas ruças são assim, boas caçadoras...até agora não me posso queixar, ela mata todas as moscas que cá entram! :)

    ResponderEliminar